Saúde

Papo com o urologista – Dr. Cláudio Murta

 

A OMS (Organização Mundial da Saúde) define saúde como um estado de completo bem estar físico, mental e social das pessoas ou de determinados grupos. Ou seja, é um estado de plenitude e atividade de um ser humano desde a infância até a sua idade mais avançada. Sendo assim, não há o menor sentido em manter esse estado da forma mais equilibrada possível, não é mesmo? Pois não representa o que os números dizem:

É preciso, então, sempre fazer o alerta para que os homens se cuidem e se preservem mais, visando não apenas mais longevidade, mas como uma vida com mais bem estar. Em conversa com o Dr. Cláudio Murta, médico urologista e médico assistente do Instituto do Câncer de São Paulo, coordenador do Centro de Referência de Saúde do Homem, falamos a respeito de algumas doenças masculinas, diagnósticos para as mesmas, tratamentos, estatísticas e dentre outros assuntos.

Mundo Varonil: Doutor, como o senhor classifica o “medo” que alguns homens sentem quando procuram o urologista?

Cláudio Murta: Os homens possuem um preconceito com relação ao urologista pelo exame digital da próstata (toque retal). Eles acreditam que a masculinidade está ligada à realização ou não do exame. Além disso, os homens têm uma ideia errada de que são invencíveis. São infalíveis. Quando na verdade não são. Os homens morrem mais cedo que as mulheres, têm mais doenças do coração que as mulheres. Enfim, eu costumo dizer que o homem é o sexo frágil.

MV: Qual a periodicidade por faixa etária que os homens devem procurar os profissionais da área?

CM: Os homens devem ir ao médico quando criança, no pediatra, mas depois no início da adolescência devem fazer ao menos uma consulta para conversarem sobre gravidez, doenças sexualmente transmissíveis e avaliar problemas locais como varicocele (veias dilatadas ao redor do testículo que podem causar infertilidade e tumores de testículo, mais comuns nesta idade). Na idade adulta devem ir ao médico para medirem a pressão arterial, colher exames gerais, como glicemia, ao redor dos 25 anos. Aos 40 anos, devem iniciar uma visita anual ao clínico geral ou cardiologista para avaliação da pressão, colesteral, diabetes. E a partir dos 50, devem procurar um urologista para avaliação da próstata. Claro, que essas visitas pode ser mais frequentes caso o paciente tenha algum problema durante sua vida.

MV: Existem dados percentuais da visita dos homens em consultórios urológicos?

CM: A sociedade brasileira de urologia mostrou que quase 50% dos homens nunca foi ao médico para avaliar sua próstata.

MV: Quais são as principais doenças urológicas que afetam os homens nas faixas etárias?

CM: Crianças: fimose, hernia inguinal, criptorquidia (testículo não descido), infecção urinária; Adolescentes: varicocele (dilatação das veias ao redor dos testículos e causa infertilidade), doenças sexualmente transmissíveis (DSTs); Adultos: cálculos renais, varicocele, DSTs, ejaculação precoce; Adultos acima de 40 anos: disfunção erétil, ejaculação precoce, hiperplasia prostática benigna (crescimento benigno da próstata), câncer de próstata e infecção urinária.

MV: E os seus sintomas, como podemos identificar os mesmos?

CM: Os sintomas são variados, mas vamos lá:

Fimose: dificuldade de exposição da glande
Hérnia inguinal: abaulamento na região inguinal
Criptorquidia: o diagnóstico é feito pelo pediatra
Infecção urinária: dor no canal da urina, urina fétida, escura, dor no pé da barriga
Varicocele: infertilidade
DST: depende da doença, mas em geral: verrugas genitais, úlceras no pênis, gânglios na virilha, dor para urinar, secreção pelo pênis
Cálculos renais: dor na região lombar, sangue na urina
Hiperplasia prostática: dificuldade de urinar, acordar a noite para urinar, ir várias vezes ao banheiro
Câncer de próstata: em sua fase inicial não dá sintomas. O diagnóstico é feito pelo exame de sangue e pelo toque retal

MV: E o tratamento dessas doenças é de fácil obtenção?

CM: O tratamento dessas doenças pode ser feito em hospitais do SUS. A facilidade depende da doença e do local de procura do paciente.

MV: É verdade ou mito que existem mesmo alimentos que podem auxiliar no tratamento dessas doenças?

CM: Existem doenças que determinados alimentos podem ajudar. Por exemplo, pacientes portadores de cálculos renais podem se beneficiar de ingestão de suco de limão, laranja, abacaxi. Esses sucos contêm citrato que evita a formação de cálculo. Nos pacientes com câncer de próstata, frutas e peixes, diminuem o risco de recidiva.

MV: Como a família do enfermo pode auxiliá-lo na cura destas doenças?

CM: Primeriamente, dando suporte psicológico. Entendendo o problema e dando força. Depois, ajudando durante o tratamento, do ponto de vista logístico (levando ao médico, aos exames, ao hospital, comprando remédios). Por fim, demonstrando amor.

MV: O senhor já passou por situações inusitadas com algum paciente? Poderia nos relatar?

CM: Infelizmente, essa pergunta não posso colocar, mesmo sendo anônimo, não poderia relatar aqui.

MV: Em sua opinião, quais os cuidados e/ou recomendações que o senhor pode nos informar para termos uma vida mais saudável?

CM: Primeiramente, criar hábitos de vida saudável. Como boa alimentação, evitar álcool e cigarro, manter o peso, exercícios físicos e tempo para lazer e descanso. Além de tudo isso, fazer seus exames regularmente, antes dos problemas aparecerem.

 

Conheça o Dr. Cláudio Murta: www.drclaudiomurta.com.br

Facebook: @drclaudiomurta

Instagram: @dr.claudiomurta

 

 

Tags
Mostrar mais

Eduardo Gama

Químico (o que além de uma profissão também é um perigo), fã de churrasco – como todo criador desse site -, considera cerveja o elixir da longa vida. Garante que não passa a vida sem experimentar todas elas. Fã de carros e de música, considera qualquer programação boa desde que tenha alguma cerveja.

Close